Erro(s) a ser(em) Corrigido(s)

O ser humano passa uma vida a aprender, tanto com o bem que faz como com o mal, mesmo que esse mal seja sem intenção de o provocar. Aprendemos muitas vezes com os erros, tanto os dos outros como os que provocamos. Mas às vezes o que custa acreditar é que erramos uma vez e quando pensamos que aprendemos com o erro, tornamos a errar novamente. Há erros que só damos conta quando algo de grave acontece ou quando tomamos a consciência do mal que estamos a causar, principalmente a nós próprios. Vou falar do meu caso e certamente o de muitas pessoas, a constante ligação com o virtual, uns porque adoram redes sociais, outros porque adoram jogar online, outros porque adoram frequentar chats e o meu caso, eu adoro ter o meu espaço virtual, o meu Blogue, que acaba por ser uma parte de mim, algo que valorizo e que dou importância. O meu blogue não é um diário, mas se for a avaliar bem o que escrevo por cá, tem umas pitadas do meu Ser, aqui eu transmito o que sinto, o que vivo, o que sou, o que penso, enfim é o meu pequeno "quarto" virtual mas com "plateia". Logicamente que não me dou totalmente a conhecer por aqui e acabarei por ser sempre alguém atrás de um monitor que deposita palavras que são transmitidas a outros que as lêem. Mas é muitas vezes através das palavras e do sentimento que transmitimos nelas que acolhemos afinidades e que se criam amizades mesmo nunca estando cara a cara. Posso confessar que não me arrependo em nada de ter criado um blogue e fazer parte deste rol de pessoas que frequenta a blogosfera, mas a verdade é que me entusiasmei e deixei-me ir sem controle. Acabei por dar demasiada importância ao blogue, a dar demasiado tempo a ele e a deixar fugir um pouco a vida real. Depois outro erro que dou é pensar demasiado na opinião dos outros, no que vão dizer ou pensar. Eu devia sim, escrever para mim sem pensar no que vem a seguir depois de publicar o que escrevo. A escrita faz-me muito bem e era nesse bem que devia pensar apenas. O ser insegura e perfeccionista também são factores que não ajudam muito, tenho de arranjar forma de confiar mais em mim, no meu potencial, nas minhas qualidades e não pensar que o que faço nunca está bem, nunca tem interesse, acabando sempre por desvalorizar o que desempenho. Por isso que a opinião dos outros me interessa muito, mas devia ser o inverso, devia sim valorizar e confiar mais o que faço e só depois aceitar as opiniões.
E já não é a primeira vez que este fora do controle "virtual" acontece, por isso que disse em cima que há erros que nunca aprendemos pela primeira vez, e como tal tive de chegar a um limite de desanimo e tristeza para dar conta do mal que estava a causar a mim própria. Só tenho pena que nós pessoas só damos conta dos erros quando chegamos a um limite extremo e tomamos alguma maturidade acerca do assunto. No meu caso é o vicio pelo blogue, pelo virtual, que terei de controlar e não fazer dele uma rotina diária. Mas há casos que tenho lido e ouvido em que existem erros muito mais graves e dão que pensar. Pessoas que bebem sem controle e ainda assim pegam num carro e provocam um acidente e só depois é que abrem os olhos (alguns jamais os abrem), quando deviam era ter consciência que antes de beber deveriam colocar a maturidade a funcionar. Depois há outros que ao conduzir mandam sms ou falam ao telemóvel e provocam um acidente, outros que não usam o cinto de segurança, outros porque é perto não colocam a criança nas devidas condições de segurança e depois acontece a tragédia...enfim, tanta coisa bem mais grave é verdade, mas há vícios que também fazem quase os "mesmos" estragos, como o vicio do jogo ficando sem nada e/ou endividado, vicio das drogas arruinando a própria vida por uma adrenalina ou pela curiosidade, vicio do tabaco dando cabe da saúde e "carteira" e tudo isto passa por avaliação do nosso cérebro, tudo isto começa por atitudes nossas, por muitas vezes falta de maturidade e consciência de perigos... Claro que o meu caso em relação ao blogue é uma pequena partícula nisto tudo que relatei, mas não deixa de ser algo menos saudável (no aspecto de passar horas a fio aqui e deixar o real lá fora) ou causador de um vicio incontrolável e se não formos nós a colocar um ponto final, ninguém o fará. Se o Mundo fosse certinho e direitinho, talvez fosse mais feliz, não sei, sem tantos problemas, mas a verdade é que terá sempre de haver o lado bom e o lado mau da historia (tal como no conto de fadas) e aqui (nosso Mundinho) não é excepção. Pior é quando por causa dos nossos erros colocamos a vida de outros em risco também. E às vezes custa-me acreditar como existem pessoas que não pensam antes de agir, que não evitam, só porque "Ah e tal, só acontece aos outros"...

Por isso se me afastar um pouco do meu cantinho e dos vossos, não estranhem...eu andarei na mesma a dar uma vista de olhos e a deixar uma palavra :) Apenas não posso ficar mais grudada ao monitor horas a fio, isto não é vida.

Comentários

  1. Se sentes isso, fazes bem em afastar-te um pouco... em tudo na vida deve haver um equilíbrio. Mas eu gosto imenso de ter um blogue e acho muito gira a partilha que existe na blogosfera :) Por isso, espero que encontres esse equilíbrio entre o real e o virtual mas não te afastes demasiado, ah. Beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também espero encontrar esse equilíbrio Origami :)
      Não será complicado, basta impor regras à mente e ao corpo, vais ver se ele não cumpre :p
      Mas é lógico que custa sempre mudar, mas estou a conseguir fazê-lo, até mesmo para o meu bem, andava-me a sentir presa ao Mundo Virtual. Andar solta é bem melhor :)

      Eliminar
  2. Errar não é mais do que explorar caminhos que nos prejudicam, para aprendermos mais sobre eles, consciente ou inconscientemente. Por isso pensa assim: não erraste, apenas andaste a explorar um caminho até estares convencida de que não é por ali :)

    Boa sorte para este novo caminho! Escreve muito, mesmo que seja só para ti.

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  3. Bom, o teu texto requer uma certa reflexão sobre os nossos actos. Concordo com o que dizes, este mundo é sim, um pouco viciante. Eu também adoro a blogosfera e já sinto falta se não vier cá um dia e de vos ler. Antes eu também publicava diariamente, agora vou publicando quando necessito de escrever e tenho vontade. Deixo algum tempo do meu dia para ler os blogues que acompanho e ainda assim, já é algum. De qualquer das maneiras não é tempo perdido. Eu aprendi imenso aqui, coisas pequeninas que fizeram a total diferença na minha vida. Como em tudo na vida é preciso haver um meio termo. E esta coisinha maravilhosa tão nossa como o nosso blogue tem de ser algo que nos faça bem :)

    Acho que fazes muito bem em escrever para ti, sem te preocupares com as opiniões dos outros. Afinal a partir do momento que te preocupas e receias escrever ele deixa de ser teu, não é?

    Escreve sim :) Isso faz-te um bem enorme e feliz. Eu quero esta menina que é autora deste blog com o sorriso lindo que tem :)

    Beijito amiga :)*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leticia minha bomboca doce :p
      Tens toda a razão, este espaço não o consigo largar, até porque não havia motivo para isso. Escrever faz-me bem, seja mal ou bem, eu adoro transmitir os meus pensamentos na escrita e tu bem deves saber do que falo :)
      Mas realmente se não mudar algumas coisinhas em mim e no que tenho feito, vou começar a construir uma bolinha de neve de tristeza e desmotivação, como ontem estava. Não posso levar isto tão a peito, porque este espaço serve para me sentir bem, para aliviar a alma e para ver partilhas de outros que têm da mesma forma um espaço como este.

      Obrigada querida pelas tuas palavras* Beijinho

      Eliminar
  4. Querida Paula, percebo o que dizes... o ideal é fazer disto um espaço extra, um espaço nosso, mas sempre sem exageros :) espero que consigas o tal equilibrio que procuras entre ambos os mundos.
    beijinhos grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. V* Tens toda a razão e ainda bem que compreendes o que tento transmitir.

      Beijinho grande, és uma querida por sempre cá vires :)

      Eliminar
  5. Quem não era? Todos nós, uns mais que outros mas todos erramos e felizes aqueles que reconhecem os seus erros e se conseguem emendar. Que seja o melhor para Si. Beijinho.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Madrinha tem Saudades Tuas

Tragédia que Nunca Esquecerei

Avó Ausente