Adeus Spike - Até um Dia


A nossa bonita historia começou a 16 de maio de 2009. Quando te vi pela primeira vez, meus olhos luziram de alegria, pois começaste logo a ocupar um espaço especial no meu coração, foi muito fácil criar empatia contigo e com a tua maninha Luna. Sem duvida foi um momento único que amei recordar, na altura era suposto apenas ficar contigo, mas como ninguém conseguia encontrar um dono para a tua mana, resolvemos ficar convosco e foi o melhor que fizemos. Não me arrependo em nada de ter tido a oportunidade de vos ter na minha vida, para mim sempre foram os meus amores preciosos, os meus pequenos guerreiros. 

Spike, foi o nome que te dei e tanto orgulho eu tinha em chamar-te, pois nesse preciso momento sabia que eras meu, o meu companheiro erriquieto. Sim! Sempre foste muito hiperativo, corrias imenso, ladravas, com uma força de vida tão linda de se ver. Eu sei que foste feliz, eu sei que foste acarinhado e também sei que eras um pouco teimoso, difícil por vezes de educar, mas nada que não pudesse contornar.



Era a tua maneira de ser, bem diferente da tua irmã, mas isso era o que te caracterizava. Tinhas um ar que mostrava seres o rei de tudo e todos, mas na realidade eras tão medricas quanto eu. Super fotogénico, consegui algumas vezes captar poses tuas que hoje olho para elas com uma saudade tremenda. Vejo tudo como se fosse hoje, como se ainda tivesses aqui comigo.






Adorava o teu jeito malandro e querido ao mesmo tempo, a fera que havia em ti e que por vezes não passava de latir.
Como foi bom ter-te na minha vida, foste o meu pequeno raio de sol.







Foste crescendo....








Os anos foram passando...
Mas em 2017 as coisas começaram a complicar-se um pouco.

No inicio desse ano tiveste de ser operado à próstata e começaste a criar pequenos cristais na bexiga, o que implicou andares medicado e com uma ração de dieta especifica para evitar o aparecimento desses mesmos cristais. O ano até correu bem, conseguimos dar a volta ao problema que não era assim tão complicado como parecia. Pior foi no final do ano começaste a apresentar falta de apetite, andares mais em baixo e sem forças. Até as nossas caminhadas já fazias com algum esforço e mal sabia eu que estavas a adoecer. Foi então que em janeiro levei-te ao veterinário e o choque foi brutal para mim. Uma pessoa nunca vai a pensar no pior, mas estava destinado, tinhas cancro no fígado e um problema de coração já bastante avançado. O problema da próstata também se tinha agravado, mas com medicação tudo se recompunha tal como o coração. Mas em relação ao cancro, já algo me dizia que seria impossível saíres desta ileso, tendo em conta a idade e os restantes problemas de saúde que dificultavam as coisas, mesmo que tivesses de ser operado a probabilidade de aparecer novamente era muito grande.

 Saímos da consulta e foi a etapa mais complicada para mim, porque era uma incógnita se irias ficar bem ou não, ou se pelo menos terias qualidade de vida. Voltamos novamente ao veterinário passado uma semana, fizeste o tratamento indicado e já parecias outro. Começaste a ter apetite, a andar bem disposto e aos poucos parecia que tudo estava a ficar bem, melhor do que pensei. O veterinário admirou-se também por ele ter recuperado tão bem em pouco tempo, mas teria de continuar com medicação mais um mês e em maio fazer nova ecografia para saber como estava a situação dele. Ou seja, ele teria de ser vigiado.


Poderias até poder viver com o cancro sendo benigno, mas infelizmente ele não conseguiu sequer chegar até maio. Teve a sua recaída a partir da semana passada, já antes andava mais murchinho, mas eu já estava a adivinhar que algo se passava. Ele voltou ao seu estado inicial, já com tonturas e sem grande reação, ontem, peguei no carro e fui mais uma vez em direção a Penela ao veterinário. Nunca, NUNCA, pensei que seria o fim ali !!! O meu Spike partiu.



Pior foi estar sozinha com ele e ter a decisão de o adormecer para não sofrer mais e descansar em paz. Doeu tanto!! Mas tanto.... que apesar de achar que foi o melhor, sinto que eu autorizei a morte dele e isso doi tanto. Eu só queria que ele morresse bem, em paz, no seu estado normal e não assim. Nunca pensei que um dia teria de tomar uma decisão destas e é algo que vou ter de viver com isto... só espero que ele me perdoe por não tentar mais, pois ele tinha 50% de hipótese de recuperar, mas ficar muito limitado. E o problema nisto tudo é que ele teve um ataque cardíaco e acabou por o cegar, por isso as tonturas... o estado dele já estava bastante consumido. 

Fiquei com ele um largo tempo, apenas nós, a sós... uma despedida que jamais esquecerei. Ele mal reagia e só Deus sabe o quanto doeu aquele momento e as lágrimas que derramei e atualmente estão a cair novamente. Não vou esquecer dos últimos toques no pêlo macio dele, de o ver no carro ao meu lado a caminhado do vet. , do olhar dele tristonho e do seu estado fragilizado que ontem assisti. Faleceu pelas 20h e é mais uma pequena estrelinha no céu. Para mim foste família, para mim foste e sempre serás um pequenote a recordar. Vou sentir a tua falta hoje e sempre. Obrigada por teres feito parte da minha vida.

Agora vou cuidar da tua irmã, a minha Luninha, será sem duvida o meu verdadeiro apoio para apauziguar a dor que vai massacrar alguns dias, mas sei que com o tempo tudo voltará à normalidade e nesse momento olharei para ti com um verdadeiro sorriso por tudo o que de bom vivemos juntos.

Descansa em Paz, Spike.


Comentários

  1. Muita força, não é nada fácil linda
    Beijinhos
    Novo post (Mala Senhora Floral) // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. A dor de perder quem amamos é algo muito poderoso que nos faz pensar muito. A dor apazigua assim como as saudades, mas o amor nunca morre. Se me perguntarem quem gostava de rever, era sem dúvida os meus cães que já perdi.

    A Laurinha vai apaziguar muito esse vazio!
    Descanse em paz o Spike!

    www.sarcatsilva.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida que a Luna vai ser o meu apoio daqui para a frente e eu o dela certamente... beijinhos

      Eliminar
  3. Nestes momentos, nada do que se diga vai apaziguar a tua dor e como doí.
    Exactamente no dia 20/03/2017 tive que tomar a mesma decisão que tu tomaste e custou imenso, sabermos que vamos adormecer para sempre o nosso patudo mas que seria a opção mais acertada naquele momento face ao estado clínico, mas custa tanto... nunca se esquece.
    Agora agarra-te à Luna, ela vai precisar, acredita! Eu também tinha um casal e ficou o meu Rufi sozinho e ele sentiu tanto a falta da sua companheira, que foi quase que uma mae para ele.. simplesmente quase que deixou de comer durante uma semana, nada lhe fazia abrir o apetite, deixou de comer ração seca e mesmo húmida.. andava todo o dia à procura da sua amiga "Mel". A veterinária disse-me que era a maneira dele de mostrar que sentia a falta dela.. que se mantivesse assim teria que ser medicado. Eles também sentem a falta tal como nós.
    Muita força amiga e não te culpes por nada, no fundo sabes que fizeste a melhor opção, apesar de hoje, ainda não conseguires interiorizar essa ideia.
    Beijinhos, e qualquer coisa estou aqui **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coincidência ser um ano depois acontecer-me o mesmo que a ti, eu nunca tinha-me visto nesta situação, nem tão pouco pensei que tivesse de tomar esta decisão. Sempre idealizei que ele morreria de morte natural, mesmo que fosse da doença, mas que não fosse por "minha influencia". Autorizar alguém a morrer, seja quem for e quando amamos demais, é um passo demasiado complicado de aceitar. Em parte acho que estou a aceitar bem a partida dele, noto que seria mesmo o melhor rumo, tendo em conta toda a situação e o estado dele clinico. Mas enfim... não deixa de ser uma perda que vou sentir imensa falta. Agora tenho me agarrado mais à Luna, eu noto que ela anda um pouco tristonha, mas não me parece nada significativo. Tem comido bem e quer muitos miminhos, mas isso ela sempre quis :) É uma meiguice.

      Obrigada pela força e por partilhares a tua historia, beijinhos

      Eliminar
  4. Eu tive de tomar essa decisão por duas vezes e sozinha também. E dói sair de lá ainda mais sozinha. Força, não se esquece, mas o tempo atenua a dor. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Nem imagino a dor que passou, eu tenho um gatinho há 1mes e meio e ao há 3 semanas atrás foi atropelado e teve que ser operado á anca..
    Força
    Beijinhos 😌

    ResponderEliminar
  6. Custa muito ver o nosso animal de estimação a partir 😢

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Madrinha tem Saudades Tuas

Natal na Aldeia - Castanheira COM VIDA!

Avó Ausente