A Garotinha da Aldeia

Tu eras uma simples moça do campo e eu o rapaz da cidade que visitava a aldeia para passar uns bons dias junto com a natureza. Nossa amizade foi originando com "Olás" envergonhados, mas com um bater de coração inexplicável. Eu andava demasiadas vezes de bicicleta pela serra acima e descia numa velocidade veloz, mas aos poucos comecei a aperceber-me que o teu rosto não desaparecia da minha mente. Todo um vento que batia na minha cara faria de mim um tolo a rir sozinho perante a adrenalina com que andava de bicicleta e pensava em ti. Tu aquela menina tímida, mas com um sorriso brilhante que cintilava aos meus olhos. Naquele dia em vez de avançar com a minha bicicleta e pedalar o caminho habitual, parei à tua beira e perguntei se querias encontrar-te à noite perto do jardim para conversar para além dos "Olás" que oferecíamos e dos sorrisos que trocávamos, e tu aceitaste coradinha mas com aquele sorriso de orelha a orelha que me enfeitiçava. Prossegui a minha pedalada, mas desta vez a minha felicidade via-se claramente como um puto adolescente, parecia um rapazinho do campo coberto de amores pela princesa da aldeia. A noite aparecera e o nosso encontro realizara-se, tu estavas linda com um vestido branco de verão que sobressaia tão bem na tua pele quase tão morena quanto a minha, com um bronze invejável, mas com uma carinha tão branquinha e meiga que só apetecia "kissar-te". O teu sorriso era de tal forma contagiante que parecíamos dois miúdos a sorrir sem parar como se sentíssemos uma felicidade infinita e desejável. Foi precisamente naquela noite que o meu coração derreteu-se por ti e sem saberes eu já estava há muito apaixonado por ti, mas nunca tivera a coragem de o admitir para mim próprio. Talvez saberia que sendo eu da cidade e tu da longe aldeia, não valeria arriscar ou aprofundar esse sentimento, mas como poderia eu negar e deixar para trás alguém que me contagiava de alegria. 
Hoje, eu venho a aldeia apenas para te ver e estar somente contigo, porque te amo mais do que imaginaria e tu pérola preciosa que és te declaraste a este coração que jamais pensou que um dia seria um Sim que proferias. A distancia é muita, mas maior é o meu amor por ti, por isso todos os quilómetros que fizer serão um triunfo para mim e toda a saudade despedaça-me o coração e por isso não aguentaria estar completamente longe de ti muito tempo. Tu és a garotinha dos meus sonhos, a do sorriso maravilhoso e que os meus olhos e coração vibram de felicidade só de ver.

Estou completamente apaixonado por ti*
Esta é a nossa historia, a do nosso amor.
Beijos ternos.

P.S.: A minha imaginação gosta do amor :) (Autora Paula)

Comentários

  1. Adorei o texto. Um hino ao amor distante :)

    ResponderEliminar
  2. Nunca tive uma paixoneta de verão (é uma falha no meu crescimento) e só me apercebi disso quando li a tua história...Também quero um lol
    Parabéns Paulinha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paixoneta de verão tb nunca tive, aliás eu gosto de compromisso. :)
      E obrigada :) Beijinho*

      Eliminar
  3. A tua imaginação têm bom gosto e tu escreves maravilhosamente, o amor o melhor tema a explorar, dele saem vários caminhos…
    Boa semana e beijinhos Felizes :)

    ResponderEliminar
  4. Por vezes chego a pensar numa historia de amor assim!:) Gostava de viver assim:P

    ResponderEliminar
  5. ...a "garotinha da aldeia" que há em mim só consegue fazer ohhhhhhh (aquele de quando uma coisa é fofinha de mais) e pensar que tambem quero um amor assim! =P

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Madrinha tem Saudades Tuas

Natal na Aldeia - Castanheira COM VIDA!

Tragédia que Nunca Esquecerei