Vida Ingrata


Às vezes na escuridão da noite a solidão agarra-me com os dois braços, por mais que tenhamos pessoas por perto, ela de vez em quando tende em aparecer e segura-me com a imensa força que traz, parecendo ela alguém que me virá proteger, mas que na verdade só me oferece tristeza e desmotivação.
Nunca acreditei naqueles que olham as estrelas, pedem desejos e estes se concretizam. Mas dava tudo para que isso fosse possível, para que com fé acreditasse nisso e pedisse algo que gostaria de realizar.
Nestes momentos em que parece estarmos sós no Mundo, originam variadas questões na nossa mente, difíceis de controlar, uma delas é saber a nossa missão na terra. Quando damos por nós à deriva e com a água prestes a afundar o nosso barco de sonhos e magia. Sentimo-nos fracos e sem iniciativa, porque não vemos razões para que a tenhamos. Todos nós, poucos ou muitos, temos pessoas que nos amam e que se preocupam connosco, isso é de facto importante, mas não chega quando corremos infinitamente, cansamo-nos e exaustivamente caímos por nunca mais chegarmos à etapa pretendida. Como se procurássemos algo e esse algo não aparecesse, se mantivesse escondido à espera de uma luzinha para o fazer caminhar até mim. Enquanto eu gastando todas as minhas energias, percorro caminhos sem setas de orientação.
Pior é quando sonhamos um sonho tão bom e simplesmente nos apetece continuar a sonhar e nunca mais acordar, mas de súbito os nossos olhos abrem e a realidade aparece nua e crua novamente. Então a tristeza invade o peito por apenas um sonho bom não ser real como nos contos de fadas.

Parei de caminhar, pois a luz apagou-se e cansada recuei para descansar. A desmotivação instalou-se e assim a tristeza apoderou-se. Não sei quando a luzinha acenderá, mas espero que quando o fizer, me dê bons e felizes caminhos para trilhar. O novo ano está a chegar e ao menos que venha para boas noticia me dar. 

Comentários

  1. Desinspirado para escrever vai uma música que hoje publiquei no meu mural...

    http://youtu.be/dI-6-n-4Xok

    ResponderEliminar
  2. É nos momentos de escuridão, quando o mundo perde o sentido e nós perdemos o rumo, que a luz de uma vela brilha mais; essa luz que parece insignificante durante a claridade, na escuridão pode guiar-nos.
    Espero que encontres o teu caminho e que não desista dos teus sonhos.
    Beijinhos e boa sexta-feira*

    ResponderEliminar
  3. Bah, TOCA A ARREBITAR!!!
    Dias menos bons todos temos (e o tempo também não ajuda), mas temos de ganhar FORÇAS, para fazer do amanhã um DIA MELHOR!!!!

    ResponderEliminar
  4. Olá Paula,

    Nunca digas que nada é impossivel, que não acreditas, que não pode acontecer. O nosso sonhar jamais tem limite e o nosso acreditar tem poderes que tanto desconhecemos, que nos surpreendem de forma tão forte e arrebatadora.
    Hoje olha para o céu e se a noite te possibilitar pede um desejo, pede um desejo à estrela mais cativante, aquela que te prende não pelo brilho mas sim pela sua forma peculiar de ser.
    Depois de pedires esse desejo, fecha os olhos, sorri e, após tudo isso, começa a lutar por ele, a pensar nele, a viver para que ele deixe de ser apenas um desejo que partilhaste com a noite, com a confidente que ela é.
    Gosto sempre de te ler, de ler este amor, este sentimento que depositas nas letras que te compõem.

    Um Beijinho :)*

    ResponderEliminar
  5. Obrigada pelas vossas palavras Anjinhos da Blogosfera :)
    Obrigada por me lerem e perderem um tempinho para cá vir.
    Beijinhos para vocês*

    ResponderEliminar
  6. Não te vale de nada dizer que todos temos desses momentos de escuridão e tristeza. Aprendi com a idade que metade dos nossos sonhos ficam por realizar e que a solução passa por aprendermos a ser felizes com aqueles que vamos conseguindo realizar. Um pequeno sonho hoje, outro amanhã... no fim tudo se resume a viver um dia de cada vez e a aproveitar a viagem, porque o destino já sabemos como vai ser.
    Pronto, mas já li o outro post e parece-me que o pior já passou. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, mas temos de aceitar nem sempre temos vontade sorrir, vontade de fazer seja o que for...de qualquer maneira isto são fases que já estou habituada a ter, ainda bem que são passageiras, caso contrário seria bem pior para mim. A minha vida precisava era de uma reviravolta, mas não está fácil ela acontecer. Mas pronto, vamos vivendo com aquilo que temos e conquistamos, aos poucos se vai longe.
      Beijinhos*

      Eliminar
  7. Não desanimes. Embora as situações não nos façam sorrir, não desistas dos teus sonhos. O mais provável é ser apenas uma fase, isso passa ao fim de umas horas ou dias.
    Lembra-te dos amigos que tens, da tua família, daqueles que te proporcionam momentos de alegria. Vale a penas lutar, mais não seja para lhes mostrares que és capazes! Que foste à luta e regressaste sã e salva!
    Oh! E todos nós temos uma missão neste mundo. Mesmo que seja fazer os outros sorrir, não faz mal. Afinal, ao fazer alguém sorrir, é torná-la feliz :)
    Beijinhos e volta ao teu "estado normal" depressa! :P

    ResponderEliminar
  8. Tena de continuar a acreditar querida, por mais que te custe, por mais que te faltem as forças, não podes desistir...eu sei que é dificil, também me sinto derrotada e desanimada por vezes...mas a força vem ao de cima quando menos esperamos...espero sinceramente que encontres essa força dentro de ti!
    beijinhos**

    ResponderEliminar
  9. Obrigada Alyra e Kate pelas vossas palavras.
    A vida também é feita destes tombos, digamos que são tombos passageiros, mas não deixam de nos abalar. Os sonhos, sempre fui uma pessoa sonhadora e sei que vou sempre o ser, mas por vezes parece que os sonhos são apenas uma miragem na minha vida e que não há meio de os ir concretizando, porque não é simples, não é como digitar aqui umas palavras e está feito. Chega a um ponto que só dá vontade de virar as coisas, desaparecer por uns dias, mas pronto :)

    Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Madrinha tem Saudades Tuas

Tragédia que Nunca Esquecerei

Avó Ausente