Desabafo

Sei que o dinheiro não traz felicidade, todos nós sabemos. A felicidade vem de pequenos gestos, de sentimentos, de carinho e tudo isso não se compra, apenas constrói-se e realiza-se. É preciso também que o nosso coração esteja aberto a isso, que dê valor ao que temos e não apenas lamentar-se do que poderíamos ter.

Todos nós, temos fases menos boas e sei que por vezes sonhamos em ter certas coisas que a vida nem sempre permite tão facilmente, é preciso batalhar. Mas também sabemos que há pessoas que têm quase tudo de mão beijada e que nem sabem o sacrifício que dá em sobreviver neste Mundo. Por vezes deparo-me com pessoas que compram materiais em tudo por onde passam, que comem fora, que passam férias quase luxuosas e não me refiro a Spas etc, mas sim hotéis. Ponho-me a pensar como conseguem essas pessoas fazer uma vida assim, por mais que tenham trabalho e um ordenado ao final do mês, será que pensam no dia de amanhã? Ou será que consomem porque têm o apoio dos pais em qualquer problema ou situação menos boa da vida? E vão sempre viver com esse amparo? Não poupam? É só aproveitar a vida e consumir e mais nada? Ou serei eu que levo demasiado a vida a sério? Ou serei eu que simplesmente não compro, porque mesmo que tenha, pode me fazer falta para outras circunstâncias? Ou porque me custa pedir aos pais para sempre me ampararem ou sustentarem?

É claro que todos nós gostamos de ter dinheiro e comprar o que queremos, obviamente que mesmo isso na verdade ser algo material, traz sempre alguma felicidade, acabamos por depois usufruir esses bens, em momentos de lazer etc... Claro que não me importava de não me preocupar com o futuro que agora é totalmente incerto, estando eu e os meus pais no desemprego. Sei que o meu blog teria até mais vida se tivesse mais coisas que mostrar, mais passeios que pudesse dar e dar-vos a conhecer um pouco de Portugal em fotos tiradas... mas ... a verdade é que não posso fazer essa vida, pelo menos agora... Não porque não tenha, porque poderia fazer, mas sei que o dinheiro não nasce como legumes plantados em terra lavrada, porque as poupanças um dia podem fazer falta, porque os meus pais não têm que levar com mais despesas com as quais já estão sujeitos todos os dias, por ex. a alimentação e despesas mensais que temos...

Não quero que este desabafo vos faça pensar que estou a fazer-me de coitadinha, mas que é uma realidade triste em que algumas pessoas vivem, em que por vezes olhamos para outras pessoas e pensamos, quem me dera um dia poder comprar ou usufruir da mesma forma sem me preocupar no amanhã. Porque lembrem-se, os sentimentos existem, mas se houver problemas a enfrentar e não falo de problemas básicos, mas sim de saúde ou financeiros, eles podem muito bem passar de felicidade, a infelicidade, a desmotivação, a desespero... nem tudo é um mar de rosas, nem tudo é fácil de enfrentar, aliás a vida é uma constante batalha.

Enfim, é assim a vida...

Comentários

  1. O dinheiro é a roldana que move o mundo e o ser humano. Enquanto uns tem tudo e não dão valor, outros gostariam e batalham tanto e nuncam alçam tal objectivo. Entendo-te perfeitamente.

    ResponderEliminar
  2. É verdade, uns não dão valor ao que têm, e outros tem tantas dificuldades e problemas.
    Não se pode é desanimar e batalhar sempre.
    O dinheiro não traz felicidade mas ajuda, mas o mais importante é o amor.
    Compreendo-te bem.

    ResponderEliminar
  3. O dinheiro ajuda muita e na nossa idade dá-nos além de felicidade uma pequena segurança. É tão bom ganhar o nosso ordenado e não ter que pedir aos pais.
    Força e não desistas :)

    ResponderEliminar
  4. Olá minha linda.
    Percebo perfeitamente o que dizes.
    Não traz felicidade, mas ajuda a chegar a alguns locais que nos fazem felizes...
    E está tão mal distribuído!!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Compreendo o que dizes. Só posso falar por mim... Sou poupada quanto baste, mas às vezes nem preciso das coisas e compro. Penso no futuro, mas eu vivo muito o presente, não sei se amanhã cá estou por isso tento aproveitar hoje (em doses moderadas, claro que há sempre um pé de meia em que não toco).

    ResponderEliminar
  6. Paula nem fazes ideia das vezes que penso nisso...se calhar somos mesmo nós que levamos a vida demasiado a sério ou então não sei. Eu ainda vivo com os meus pais e poucos são os meus rendimentos para mim é totalmente impensável que eles me dêem mais ainda. E depois olho à minha volta e vejo amigos e conhecidos uns que não trabalham outros com rendimentos poucos como os meus e a viajar, a sair a toda a hora, sempre com a última roupa da moda...acredita que não tenho a mínima inveja disso só me faz confusão como é que essas pessoas não se sentem minimamente angustiadas pelo sacrifício que os pais já fazem, por não pensarem como vai ser o amanhã...acho que é tão bom termos o sentimento de fazer-mos as coisas por nós próprios! É tão bom eu ter a satisfação de ir jantar fora, passar um fim de semana, o que seja (mesmo que seja muito menos vezes) mas saber que poupei pra isso, trabalhei para isso :)

    ResponderEliminar
  7. Pois... Eu entendo.. Mas isto não está fácil.. Eu tenho-me safado no Verão a entregar publicidade e a fazer umas horas na esplanada aqui de um café. Sempre dá para uns "devaneios" de gajo (sim eu também gosto de ir às compras) e não sobrecarregar os pais.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Madrinha tem Saudades Tuas

Tragédia que Nunca Esquecerei

Avó Ausente